segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

E eles não aprenderam nada...

Para não me tornar repetitivo _ defendendo Jakeline e acusando o jogo errado dos demais participantes novamente (o texto anterior, do Daniel, é ótimo neste ponto) _ deixo aqui comentários de vários perfis do Twitter na noite de ontem, durante a formação do paredão. São opiniões diversas de pessoas que, como vocês perceberão, não torcem necessariamente para Jakeline. Entretanto, parece unânime que o jogo dos participantes contra Jake não parece muito promissor.











O Grupo dos Falsos

A 12ª edição do Big Brother Brasil já está marcada no imaginário popular. Em tão pouco tempo já aconteceram tantas coisas que é impossível definir qual o momento mais impressionante do Reallity até agora. Tudo vem acontecendo tão rápido e, ainda assim, de forma tão natural que o público vem perdendo o fôlego diante de tantas informações, quase todas externas, mas que influenciam no jogo.

Normalmente demora-se mais para que o telespectador consiga perceber as intenções de cada participante dentro da Casa, até nisso esta edição está bastante diferente. Nessas duas semanas de programa, já ficou clara a intenção da maioria que, na verdade, formam grupos muito bem definidos e delineados, mas que agem no dia-a-dia como se não estivessem sendo vigiados 24 horas por dia.

O grupo dos falsos parece já estar formado. Yuri, João Maurício, Jonas e Ronaldo formam o quarteto mágico das mentiras, traições e necessidade de jogar até o último segundo. Jogar errado, diga-se. Cada um dos 04 já teve seu momento de falsidade com alguma pessoa, a maioria, inclusive, jogou de forma baixa e vulgar contra Jakeline.

Este grupo não consegue perceber que a menina é uma grande jogadora e já percebeu a deles, jogando magistralmente bem, ela os ataca sem piedade a cada atitude falsa de um dos 04, deixando o público atento sobre as atitudes desses meninos que parecem não estarem antenados para o jogo. Falsidade raramente leva a vitória, Max foi uma exceção que não deve ser repetida, pelo menos, é o que se espera do público.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Fael conquista espaço na casa

Já estamos na segunda semana do BBB. Não temos muitos destaques pessoais na casa, que está bem homogênea, mas lá dentro os brothers vão costurando amizades pra permanecer na casa enquanto a maioria não acorda pro jogo.

Fael está se destacando nessa arte. Definido como um bicho do mato por seu jeito simples, ele tem sido acolhido e teve uma boa recepção. Prova disso é que mesmo sem correr tanto perigo, levou o colar do anjo.

E pré-julgado por muitos aqui fora, ele tem mostrado que não é do mal, como os últimos caubóis que passaram pela casa. Suas cenas na festa, com ajuda do álcool, têm sido sempre divertidas. E o público tem percebido isso também.

O único problema para ele é estar perto do grupo que está batendo de frente com Jaqueline. Apesar de votar diferente, ele pode ser visto como parte do grupo que pode ser enxergado como um suposto complô ou panelinha. E sabemos no que dão as panelinhas nos realitys shows do Brasil.

Só sei de uma coisa: de bobo o caipira não tem nada. Quem entra no BBB é pra vencer e Fael está disposto a levar o prêmio para o Mato Grosso do Sul com seu jeito simples e esperando que um resultado como o do segundo BBB aconteça novamente. Será? Neste momento acho um pouco difícil.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Ronaldo, burro, dá tiro no próprio pé

Ao indicar Jakeline para ficar fora da prova da liderança desta semana, Ronaldo acabou dando um tiro no próprio pé e, talvez, mudando ainda mais os rumos do jogo.

Se Jake já parecia estar sofrendo uma certa perseguição dos seus companheiros na 1ª semana, após receber 6 votos, todos pautados em justificativas tortas e toscas, para o paredão, agora, após mais esse "golpe" do seu outro companheiro de programa, nem se fala. Aos poucos, eles vão consolidando a participante baiana como uma das favoritas da edição.

Podemos lembrar de Ana Carolina Madeira, uma das melhores participantes que o BBB já viu, indo e voltando de diversos paredões e, assim, consolidando-se como uma das fortes de sua edição. Parece que a história vai se repetindo.

É claro que ainda é muito cedo para apontar grandes favoritas - e Ana Carolina, é bom lembrar, nem venceu o jogo - mas, querendo dessa forma eliminar Jakeline logo, eles acabam jogando a favor da manutenção dela na casa. O próprio Ronaldo, num certo momento, questionou-se sobre isso, mas preferiu não arriscar e vetar a participação de Jakeline na prova. Uma pena. Para eles.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Jakeline: nasce uma favorita

O 1º paredão da décima segunda edição do Big Brother Brasil foi ao ar na noite da última terça-feira e manteve o que o programa vem mostrando desde a estreia: surpresa. Todos os portais apontavam desde que o paredão foi formado no domingo a saída de Jakeline com uma vantagem não tão grande, mas que parecia irreversível, por isso, repercutiu bastante a eliminação de Analice com 53% dos votos.

É bem verdade que a edição do programa de terça favoreceu de forma descarada a participante baiana e por motivos óbvios. Analice é uma jovem interessante, intelectual, madura e, principalmente, bastante sóbria. Uma ótima pessoa que dificilmente conseguiria apimentar qualquer situação num Reallity Show como o BBB. Já Jakeline é uma criança, brincalhona, cheia de altos e baixos emocionais e, principalmente, uma jogadora nata que está disposta a tudo para se manter no programa. Em quem a direção deveria apostar?

Independente disso, Jakeline é bastante polêmica. Em uma semana, a menina passou 30 horas dentro de um carro disputando uma prova logo na largada do programa. Depois disso, incomodou a todos os participantes sem exceção com seus conflitos emocionais que iam de gargalhadas estridentes, uma impressionante compulsão por conversar e ser o centro das atenções, até momentos de choros desesperados por saudades de familiares e animais de estimação (ai, o jegue!).

Ela tinha tudo para causar polêmica e virar protagonista. Conseguiu. Odiada por alguns, amada por outros. Mesmo diante de uma semana controversa do BBB, com direito a suposto estupro, massacre da mídia, páginas policiais, intervenção da polícia e expulsão de participante, Jakeline nunca saiu de evidência e sempre se manteve chamando a atenção do telespectador.

Sobreviveu a um dos mais difíceis, o primeiro paredão em que ainda não há muita empatia com o público porque praticamente não há torcida. Quando Pedro Bial anunciou que Analice estava eliminada, automaticamente nascia uma possível favorita para o BBB 12, Jakeline vem com força total nesta disputa que ainda vai dar o que falar.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

BBB12: Perplexidade é a palavra

Vai ser difícil encontrar as palavras certas para descrever o que vi nos últimos três dias sobre a atual edição do Big Brother Brasil. Parece mentira que o nosso querido reality tenha se transformado “nisso”.

Quando vi a primeira notícia, na manhã de domingo, sobre o suposto estupro na casa, não acreditei. Primeiro a gente julga que as pessoas do Twitter estão exagerando, que é tudo uma grande confusão. Depois, ao ver o vídeo, fiquei confuso, em dúvida, pois havia visto um vídeo editado onde Monique mexia os braços em alguns momentos.

Mas ontem, quando até a polícia entrou no caso, finalmente percebi que a coisa era séria. Fiquei perplexo. Vejam bem como é fácil se enganar: Duas pessoas bebem como se não houvesse amanhã, ficam juntas e terminam se esfregando embaixo do edredom. Infelizmente, quando álcool está no meio, é difícil, a princípio, ver a coisa de uma outra forma.

Jamais pensei que veria um participante do BBB sendo eliminado do programa por, supostamente, abusar sexualmente de uma outra participante. Isso não combina com BBB.O que combina são barracos, intrigas e aquela coisa toda que a gente conhece, mas nunca chegamos a um nível assim tão baixo. Aliás, não tínhamos chegado.

A mídia e os telespectadores vêm bombardeando a Rede Globo como se ela tivesse culpa de alguma coisa. Culpa aonde? O que ela fez? Eles foram cautelosos. Assim como muitos de nós, que ficamos em dúvida no início sobre o que pensar. Ninguém pensou que a emissora poderia ser até processada pelo participante, caso um julgamento precipitado fosse feito? Mesmo depois de tudo ainda a estão acusando de racismo... Então as pessoas só se comovem em casos como esse quando o agressor é negro? Por favor, o preconceito vem diretamente daquele que pensa dessa maneira.

Mas, claro, isso tudo que eu disse anteriormente sobre a Globo não inclui a já célebre frase de Bial no programa de domingo, quando descreveu as cenas com um “o amor é lindo”, que foi a coisa mais desnecessária já dita por ele em 10 anos de programa.

A única coisa que o Boninho conseguiu foi atrair uma propaganda infinitamente negativa, que tirou completamente o foco do jogo. Num dia como hoje, onde um participante recém eliminado corre o risco de ser preso por atitudes cometidas no programa, quem se importa com o paredão desta noite? Mas o Boninho não costuma pensar como nós. Do jeito que é, não duvido até que esteja feliz com toda essa repercussão. Sadomasoquismo? Talvez. Até a imprensa internacional está dando grande destaque ao caso.

No final das contas, toda essa história só serviu para envergonhar a “pobre” Monique, que pode não ser santa, mas jamais merecia passar por algo assim, e para dar mais vitamina para os fofoqueiros de plantão que não têm nada de bom para fazer da vida e sobrevivem da desgraça alheia. Sônia Abrão que o diga.

Não escrevi esse post para julgar o Daniel, não cabe a mim. Em minha opinião, ele deve, sim, responder pelo que fez, mas perante a justiça. Ameaçá-lo ou coisa parecida não é o caminho. Definitivamente. E já vi alguns comentários um tanto quanto quentes com esse tipo de conteúdo.

Espero que essa história seja resolvida e possamos assistir a continuidade do BBB12 com pelo menos um pouquinho de dignidade, coisa que não atingimos até então. E o atual elenco tem todas as chances de fazer desta uma boa edição. Esperamos por isso.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A mídia brasileira no papel de carrasco

o
Noticiado em primeira mão pela jornalista Patrícia Kogut, Daniel foi expulso da Casa do Big Brother Brasil 12. Tudo graças a acusação do suposto estupro que ele cometeu na madrugada de domingo, após a festa, contra a sister Monique. Em vídeos que percorreram toda a Rede, mas foi retirado do ar a pedido da Rede Globo, Daniel e Monique demonstram intimidade durante a madrugada debaixo do edredom, porém, em momentos em que ela parecia desacorda, o brother permaneceu com toques e movimentos suspeitos.

Já postei minha opinião aqui e a mantenho. O que mudou de domingo de manhã quando as suspeitas percorreram as Rede Sociais graças aos telespectadores que assim o PPV do Programa? O que a direção modificar completamente seu posicionamento? No domingo à noite o que se viu foi uma edição que levou o caso na brincadeira e até tentou mostrar Daniel como o Príncipe de uma Monique embriagada e que adora homens e, menos de 24 horas depois, ele é expulso do programa.

O caso ganhou ares de superprodução nesta segunda-feira. Todos os programas de fofocas repercutiram a situação e sempre deixando claro: HOUVE ESTUPRO. As críticas dos principais veículos de comunicação do país caíram em cima de Boninho e de toda a produção do BBB acusando-os de serem coniventes com a situação.

A situação ficou tão fora de controle que juristas passaram a opinar e era evidente que alguém iria tomar proveito da situação. Pouco antes das 6 da tarde, a polícia compareceu ao PROJAC para ouvir a versão de Monique e, negociando com a emissora, conseguiu que fosse marcado um depoimento para a manhã de terça-feira. Pouco depois a expulsão de Daniel passou a repercutir.

A situação se repete. O caso Nardoni, o caso de Andreas Richthofen e, agora, menos grave, o caso Daniel. Sem julgamento. Sem investigação. Sem nada. A imprensa decidiu que o brother é culpado. Baseado em um vídeo escuro e que não é possível VER NADA, a mídia brasileira escolheu tomar para si o papel de condenadora e criou toda a situação para que Daniel fosse expulso. Tornou a presença do jovem insustentável na casa.

Não estou defendendo. Se há motivos para a polícia suspeitar de estupro ou o que quer que seja, que haja investigação séria, acompanhada de advogados e como deve ser e, se ele for culpado, que seja punido como manda a lei. Agora, não posso ser conivente em mais uma situação em que a imprensa brasileira se sente o 5º poder e pode estar destruindo a vida de uma pessoa.

Nessas horas é que tenho nojo de ser jornalista.